Carro velho e Felicidade

Dias desses estava em um trajeto para o lugar que ia palestrar. De repente o trânsito ficou ‘pesado’, quase congestionado – e poucas coisas são tão agoniantes.

Foi então que olhei pro lado e notei um moço em seu carro. Era um automóvel relativamente antigo, com a pintura já castigada pelo tempo e, aparentemente, sem nenhum conforto.

Mas, o que me chamou a atenção era a leveza do motorista. Vidros abaixados, música tocando, e ele rindo, cantarolando, sorriso no rosto.

Me peguei pensando em como nós temos sido influenciados para uma exigência desnecessária, por um padrão que é uma demanda de terceiros!

Com certeza aquele veículo não tinha ar-condicionado. E quem se importa? O carro serve pra deslocar a gente do ponto ‘a’ para o ‘b’. Mas se não for um carro do ano não serve; se não for um carro da marca ‘x’ significa fracasso; e se a opção for por bicicleta, somos assuntos nas reuniões de família.

A leveza dele me contagiou! Ele sabia que não era o carro que fazia ele mais feliz: ele era feliz apesar do carro… A felicidade era seu estado de espírito.

Pare de lutar por status que parecem necessários… Na verdade só são necessários para ‘ozoutros’. Seja autêntico, real, verdadeiro… Seja você mesmo – num carro velho ou numa Lamborghini –, seja simplesmente você: é mais fácil, menos custoso e dói menos.

Um forte abraço,
Coach Felipe Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>