Por que ainda não deu certo?

desmotivado para estudar

Às vezes as pessoas olham para a vida e se perguntam: POR QUE AINDA NÃO DEU CERTO?

Diante dos insucessos nós nos indignamos e por vezes nos revoltamos sem conseguir entender o que está faltando para que as coisas dêem certo.

Você perde o sono martelando a consciência, procurando aonde está o erro, tentando encontrar qual o SEGREDO DO SUCESSO.

“EU ME SINTO UM LIXO”

Como não conseguimos encontrar a resposta, bate o desânimo e junto com ele vem a culpa pelos insucessos, talvez até a vergonha sobre o que as pessoas vão pensar sobre os seus erros.

Não é raro se sentir incapaz e incompetente nessa situação.

Eu me lembro dos dias em que lutava para pagar as contas e por muitas vezes não conseguia pagar o valor mínimo do cartão de crédito, quando as dificuldades eram tantas e tão grandes em todas as áreas da minha vida.

POR QUE NÃO EU?

Nas minhas orações eu costumava perguntar para Deus por que só eu não conseguia ter sucesso na vida. A impressão que eu tinha era a de que todo mundo tinha sucesso, menos eu.

ACREDITAR X VIVER A FÉ

As dificuldades só aumentavam, eu cheguei a passar fome e a pensar em desistir da vida, quando descobri um segredo: não basta ter fé, é preciso viver essa fé e colocar a minha vida nas mãos dela.

Acredito que ter fé em Deus é algo muito fácil, mas colocar a vida nas mãos Dele é o grande desafio. O complemento fundamental da sua fé é acreditar em si mesmo(a).

COLOCANDO À PROVA

Hoje percebo que Deus estava me testando.

Parece que Ele estava guardando tudo o que eu há muito tempo fazia por merecer, mas o sucesso não chegava, como um pai que guarda um presente que já comprou para o filho faz tempo, mas ainda não entregou só para ver como ele se comporta.

Quando eu comecei a viver pela minha fé e a confiar na providência Divina, alinhando as minhas ações com a minha missão e guiando o meu caminho pelos meus sonhos e não pelos meus medos, tudo mudou e começou a dar certo.

E as coisas deram muito mais certo do que eu poderia imaginar.

Às vezes as pessoas comentam comigo que eu tenho um SONHADOR interno muito grande, mas eles não fazer ideia de que o meu REALIZADOR é muito maior!

Hoje eu olho para uma centena de itens na minha vida e fico impressionado sobre ter realizado muito mais que os mais ousados dos meus sonhos.

✔ Eu nunca imaginei ter um livro em coautoria com um cara fantástico que eu sou fã número um, o Juiz Federal William Douglas e ainda em vender mil cópias em um único dia, hoje superando a marca de 50.000 cópias.

✔ Eu nunca sonhei em palestrar para mais de um milhão e meio de pessoas em todo o Brasil e na Europa e gravar aulas também em inglês, tendo um alcance global da minha empresa.

✔ Eu nunca sonhei casar com uma esposa tão maravilhosa em tudo.

✔ Eu jamais pude imaginar que eu moraria em um  condomínio incrível e em uma casa fantástica.

✔ Eu não tinha a mínima ideia de que teria a alegria e a honra de poder fazer a diferença como Coach na vida de tantas pessoas e em todo o mundo.

DE VOLTA PARA O PASSADO

Eu já cheguei a desejar que eu pudesse viajar no tempo, voltar no passado e encontrar com a minha versão do passado e contar para mim mesmo que as coisas irão dar muito certo, que eu tivesse paciência, fé e confiança.

Se isso fosse possível, não seria bom, pois o exercício da fé se faz em crer naquilo que ainda não se vê, em persistir quando aparentemente não se vê as soluções e saídas para superar as dificuldades.

Se você aprende a acreditar e a superar o medo e os momentos difíceis com confiança, mantendo a sua fé, a paz de espírito e a força de vontade, nada vai conseguir te limitar.

APRENDER A PERDER PARA GANHAR

Mas, um dos grandes desafios da maratona da vida talvez seja aprender a superar os insucessos sem desgaste, sem a perda de energia emocional inútil, sem interpretar os erros e tentativas que não deram certo como fracassos e sem se rotular de forma negativa por eles.

A INTERPRETAÇÃO SOBRE OS SEUS ERROS

Lembro-me dos meus insucessos e também de como eles foram desnecessariamente dolorosos. A dor deles veio da interpretação negativa do erro e não do erro em si.

NATIONAL GEOGRAPHIC

Depois que as coisas deram muito certo eu tive três grandes oportunidades de participar de programas de TV.

O primeiro foi no National Geographic, no programa Os Incríveis. Recebi um desafio que ao aceitar eu não fazia ideia de como eu iria conseguir cumpri-lo.

Eu tinha que memorizar uma sequência de 60 e depois de 100 bolas pretas e brancas embaralhadas, desordenadas. O tempo era muito curto e memorizar bolas pretas e brancas é bem mais complicado que memorizar palavras ou um assunto de matéria.

Treinei muito e a minha esposa passava o dia me ajudando com a prática do desafio.

Venci o desafio do programa preliminar e fui o campeão dele.

Vencer aquela etapa do programa foi uma explosão de alegria incrível. Eu mesmo não acreditei que tinha conseguido memorizar tanta coisa e em tão pouco tempo.

Na final, eu errei algumas poucas bolas da sequência e fui desclassificado.

A alegria da vitória foi fantástica, mas a dor e até a vergonha da derrota foi terrível.

Eu me senti muito mal por aquela derrota e a interpretei como um fracasso, de forma muito negativa e depreciativa.

Mas o engraçado é que nos dias seguintes ninguém me falava sobre ter errado e sim sobre o quão incrível foi ter vencido o primeiro programa e também sobre ter acertado mais de 90% da sequência de 100 bolas da final.

Esse era um feito que poucas pessoas no mundo fariam. Ninguém sem treinamento jamais conseguiria chegar nem perto dessa marca.

Então, entendi que o erro foi muito pequeno diante dos meus acertos e que eu deveria focar na gratidão e no auto-reconhecimento sobre as minhas ações e evoluções.

As outras pessoas tiveram mais gentileza comigo que eu mesmo.

MAIS VOCÊ

Outra grande oportunidade que tive foi a participação no programa Mais Você, da Ana Maria Braga na Rede Globo. Em muito pouco tempo acertamos as provas e o tempo disponível precisou ser reduzido.

Dediquei mais foco no treino nas técnicas de memorização que para o controle da ansiedade e cometi erros muito simples durante o programa.

Felizmente tive mais de uma chance em outras provas de memória no mesmo programa e consegui cumpri-las com sucesso.

Sai do programa me sentindo um fracassado, um derrotado me culpando sobre os meus erros e deixando os acertos de lado. Eu me martirizava continuamente por não entender como eu cometi erros tão banais e em rede nacional.

Chegando ao aeroporto, quando estava entrando no avião, a aeromoça (comissária de bordo) me abordou dizendo que o filho dela tinha acabado de me ver na Globo e que ele ficou impressionado com a minha memória e com a minha capacidade de sorrir e manter a calma diante dos erros que cometi.

Ela me falou que ele disse que queria ser igual a mim quando crescer.

A raiva de mim mesmo, a culpa e a vergonha de ter errado em rede nacional passaram e senti gratidão por aquele momento.

Recebi tantas mensagens positivas das pessoas nas redes sociais de reconhecimento e me parabenizando, que não houve mais espaço para ficar triste pelos meus erros.

Alguns Coachees me falaram que aprenderam com os meus erros. Eles disseram: se até você erra, Coach, eu também posso errar e aprender com os meus erros sem culpa. Eu não preciso ser perfeito! Ninguém é.

Passar por essas situações me ensinou bastante a interpretar os insucessos com gentileza, aprender com os erros sem culpa e evoluir deixando o passado no passado.

JUSTUS MAIS

A terceira oportunidade em programas de TV foi no Justus Mais e tive a alegria de poder cumprir duas provas de memória com excelência sem cometer qualquer erro. Um dos médicos neurologista convidados que estava comentando o programa falou que nunca tinha visto nada parecido na vida dele.

Se eu tivesse desistido de treinar a minha memória e recusado os convites dos programas de TV pelo medo de errar novamente, eu jamais experimentaria a felicidade de viver esses momentos de superação e de ganho de visibilidade pública.

AUTOJULGAMENTO

Quando cometemos erros tendemos a nos julgar com severidade e a nos abalar com comentários negativos sobre as nossas falhas. Às vezes os comentários mais severos são os nossos mesmos.

NÃO PEGUE O LIXO DOS OUTROS

Algumas pessoas se sentem tão mal com a vida que têm, com o que são, com o que fazem, com os seus resultados medíocres e poucas conquistas na vida que aproveitam a oportunidade de presenciar o erro alheio para despejar o lixo que trazem dentro de si.

Eles encontram um alívio, uma forma de ver alguém por baixo e se sentirem melhor (menos pior) por ver alguém fracassar.

É importante se proteger tanto de comentários negativos externos como de pensamentos e sentimentos negativos internos, auto-destrutivos.

O ERRO FAZ PARTE DO ACERTO

Não devemos nos envergonhar por tentar e errar. O erro faz parte do acerto e nele se aprende coisas que os acertos não ensinam.

Errar faz parte do processo evolutivo.

Permita-se errar. Ninguém erra porque quer e nos erros aprendemos lições que os acertos não ensinam.

Quando você interpreta o erro como um fracasso, é iniciado um processo onde você passa a se ver como uma pessoa inferior, incapaz, que não tem competência o suficiente, que não merece o sucesso.

Não caia na armadilha de generalizar os seus insucessos como algo seu. Quando você erra isso é um fato.

INCORPORANDO O ERRO COMO UMA IDENTIDADE

  1. Quando alguém erra uma questão o primeiro pensamento é “eu errei essa questão” e já começa a fixar incomodado.
  2. Na segunda questão errada, “eu nunca acerto uma questão” e todas as questões acertadas são ignoradas. A irritação aumenta e começa a ansiedade que prejudica o desempenho nos estudos e na resolução de questões.
  3. Na terceira questão errada, “eu não sei da nada. Burro!”. É criada a crença de que você é incompetente.
  4. Na quarta questão, “desse jeito eu nunca vou passar”. Desmotivação e desânimo.
  5. Na quinta questão “é melhor desistir e nem estudar, não adianta de nada esse esforço todo e perda de tempo”. Falta de fé.

VALORIZE-SE!

Essa é uma capacidade fundamental para reconhecer os seus méritos e aprender com mais paciência e gentileza com os seus erros.

Que os seus erros não te impeçam de valorizar os seus acertos e as razões que você tem para manter o ânimo e fazer dar certo até dar certo.

COACHING

É incrível como em uma sessão de Coaching de uma hora apenas, logo no primeiro dos 60 dias de acompanhamento, muitos desses processos internos são compreendidos e até superados.

No nosso processo de Coaching são aplicadas ferramentas que facilitam e permitem que nós possamos entender o que precisa ser alinhado, quais são as crenças limitantes, quais os comportamentos negativos e intenções positivas que nos levam a interpretar os insucessos de forma depreciativa e a agir de forma auto-punitiva.

CURSOS PERSONAL TRAINING

Dá uma olhada nos cursos Personal Training que contém várias ferramentas de Coaching. Nessas aulas você terá uma boa ideia sobre como os nossos processos de Coaching em forma de acompanhamento funcionam.

ENTREVISTA SOBRE OS PROCESSOS DE COACHING

Se você gostaria de saber mais sobre os processos de Coaching e fazer uma entrevista para saber ainda mais sobre esses processos você pode solicitá-la clicando nesse link.

Um forte abraço,
Coach Felipe Lima.

Comentários

  1. LOURDES PIERRI disse:

    Excelentes matéria!

    1. LOURDES PIERRI disse:

      Excelente matéria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>